Visão geral sobre a Graviola


A graviola, cujo nome científico é Annona Muricata, é bem comúm nas regiões litorâneas e no nordeste brasileiro, porém é uma fruta muito conhecida em todo o país, mas que pouco faz parte da dieta do brasileiro. Opção para incluir a fruta no dia a dia é que não falta. Por se tratar de uma fruta com riquíssima composição nutricional, a graviola apresenta inúmeras propriedades terapêuticas, podendo ser utilizada em sua totalidade. Aproveitam-se as folhas, as flores, os brotos, os frutos verdes ou maduro. Com seu excelente sabor e aroma muito agradável, ela pode ser usada para fazer sucos, sorvetes, xaropes, néctares e até bebidas como champola, também pode ser consumida in natura ou até mesmo com açúcar. O aproveitamento da unidade de graviola também é ótimo, já que 54% da fruta é formada por poupa.

Nos Andes do Peru, a folha é tradicionalmente usada como chá no tratamento de catarro excessivo. As sementes tem ação antiparasita, as raízes e as folhas eram utilizadas para diabetes. Sua origem é dada nas Antilhas (América Central), onde se encontra em estado silvestre. Ela prefere climas úmidos, baixa altitude e não exige muito em relação a terrenos, portanto aqui no Brasil, ela se predomina na Amazônia, por conta da sua preferência. A árvore da graviola possui um porte pequeno, atingindo, aproximadamente, 5 metros de altura e produzem frutos durante todo o ano, portanto não existe época definida como é o caso de outras frutas.

A graviola possui um formato oval. Sua casca apresenta cor verde e não é lisa, pois apresenta pequenas elevações (“espinhos”) de cor escura. No aspecto de sabor assemelha-se muito com a fruta do conde. A parte interna é formada por uma polpa branca de sabor suavemente adocicado. Apresenta também, em sua parte interna, uma grande quantidade de semente na cor preta. Em média, uma graviola pode atingir de 1 a 2 quilos. Porém, há casos de frutos que chegam a 6 quilos. Em 1976, um programa de blindagem da planta realizado pelo Instituto Nacional do Câncer, constatou que as folhas e o talo da Graviola possuem ativos citotóxicos que agem contra células do câncer. Muitas pesquisas com a Graviola focalizam um conjunto moderno de ativos fitoquímicos chamado ACETOGENINA. Este potente antitumor, pesticida e suas informações técnicas e propriedades científicas foram cadastradas e patenteadas. A graviola pode ser consumida de diversas formas: natural, como suplemento em cápsulas, em sobremesas, chás e sucos.


Tabela Nutricional


Quantidade 100 gramas
Água (%) 82,2
Calorias (Kcal) 62
Proteína (g) 0,8
Carboidratos(g) 15,8
Fibra Alimentar (g) 1,9
Colesterol (mg) n/a
Lipídios (g) 0,2
Ácido Graxo Saturado (g) traços
Ácido Graxo Mono insaturado (g) 0,1
Ácido Graxo Poli insaturado (g) traços
Ácido Graxo Mono insaturado (g) 0,1
Cálcio (mg) 40
Fósforo (mg) 19
Ferro (mg) 0,2
Potássio (mg) 250
Sódio (mg) 4
Ferro (mg) 0,2
Vitamina B1 (mg) 0,17
Vitamina B2 (mg) 0,12
Vitamina B6 (mg) 2,04
Vitamina B3 (mg) traços
Vitamina C (mg) 19,1




Alicia Dos Santos - Todos os Direitos Reservados